. blog de Fabio Camarneiro

assine

arquivos

28 August 2009

a morte

A morte é um tema fascinante. Quem pode se dizer a salvo da "iniludível"? O que pode ser dito sobre o morrer? Mistério maior.

O cinema já tocou nesse assunto de maneira invulgar. Lembro dois grandes filmes: um deles, A balada de Narayama (1983), de Shohei Imamura.


Em um vilarejo muito pobre, uma velha mãe, em idade avançada, aguarda o cumprimento de um antigo ritual: ao completar 70 anos, os velhos são levados ao topo de uma montanha e lá deixados para morrer.

A velha mãe prepara sua partida com grande zelo, como no poema de Manuel Bandeira:
consoada

quando a indesejada das gentes chegar
(não sei se dura ou caroável),
talvez eu tenha medo.
talvez sorria, ou diga:
- alô, iniludível!
o meu dia foi bom, pode a noite descer.
(a noite com os seus sortilégios.)
encontrará lavrado o campo, a casa limpa,
a mesa posta,
com cada coisa em seu lugar.
Apesar de saudável, a velha mãe exige que o ritual se cumpra. Não se trata de teimosia: ela sabe que, mesmo quando seus braços não puderem mais trabalhar, sua boca ainda exigirá comida. Não é a tradição que está em jogo, mas a sobrevivência material do clã.

O problema, enfim, não é a iminência da morte, mas o destino daqueles que sobrevivem.

-

1 comment:

jo fevereiro said...

O oriente mais uma vez dando lições de dignidade. O que podemos encarar como mais aceitável: entregar nossa vida serena e conscientemente para a natureza, ou agonizar entubado e monitorado em uma superfaturada UTI do SUS???

creative commons

followers

marcadores